quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Juiz Gárzon proibido de exercer durante onze anos

Escutas ordenadas no processo de corrupção que envolve o PP 
09.02.2012 - 13:34 Por Sofia Lorena
Gárzon tem uma carreira de 25 anos como juiz de instrução  
Gárzon tem uma carreira de 25 anos como juiz de instrução (Andrea Comas/Reuters) 

Baltasar Garzón vai estar onze anos sem poder exercer como juiz por ter ordenado escutas telefónicas de conversas entre acusados sob detenção e os seus advogados. A sentença foi pronunciada pelo Supremo Tribunal espanhol e decidida por unanimidade pelos juízes que o julgavam. 
O processo contra o que é provavelmente o mais conhecido magistrado do mundo começou há menos de um mês em Madrid. Esta é a primeira vez em que um juiz se senta no banco dos réus por ordenar escutas a acusados – mesmo que muitas escutas sejam anuladas com consequências para os casos em que são ordenadas.
A acusação, movida por Franscico Correa e Pablo Crespo (ambos na prisão desde que Garzón ordenou que fossem detidos por suspeitas de terem pago milhões a dirigentes do Partido Popular, hoje no governo, em troca de contratos), sustentava que ao escutar conversas entre acusados e os seus advogados, Garzón tinha violado o direito da defesa. Reclamava entre dez e 17 anos de interdição de exercer para o juiz.
A defesa explicava que tudo o que dizia respeito a estratégias de defesa tinha sido eliminado das escutas. “Não houve nenhuma diligência apoiada nestas comunicações no que se refere à estratégia da defesa”, afirmara o juiz, interrogado pelos advogados de acusação.
Num longo interrogatório, Garzón repetira ainda a razão por trás da decisão de ordenar as escutas: “Os advogados desempenhavam um papel básico no branqueamento de dinheiro”.
O Supremo recusara ouvir Antonio Pedreira, juiz do Tribunal Superior de Madrid que sucedeu a Garzón na instrução do caso Gürtel e prorrogou as escutas, assim como os procuradores anti-corrupção que as validaram.
Gárzon está ainda a ser julgado por alegadas diligências indevidas no processo dos desaparecidos da ditadura.

1 comentário:

L.C. disse...

Ler, mais em pormenor, o seguinte:
"Garzón dice adiós a la carrera judicial al ser condenado a 11 años de inhabilitación" ( http://politica.elpais.com/politica/2012/01/23/actualidad/1327315561_578421.html )