quinta-feira, 4 de abril de 2013

DEMISSÃO NO GOVERNO

 


“Sei que só a história me julgará convenientemente e com distância”, disse Miguel Relvas, braço-direito do primeiro-ministro e responsável pelos Assuntos Parlamentares, que pediu a demissão nesta quinta-feira. Passos Coelho convocou Conselho de Ministros extraordinário para sábado.

Relacionados:
Crato não pode anular, mas espera que tribunal o faça
Lusófona diz que houve créditos sem fundamento
Frases de e sobre Miguel Relvas em dois anos
RTP: CT pede que Relvas leve administração
Comentário: um dia bom para Portugal
A queda de um ministro incómodo
JS dá bilhetes de avião ao Governo
Polémicas que envolveram Miguel Relvas

1 comentário:

skeptikos disse...

Vamos lá ver se a gente se entende?!

Então e o outro? O mitómano fez exames de disciplinas não curricularmente previstas, fez exames por fax, correspondia-se "cartularmente" com os professores sobre o de(curso) da sua aprendizagem, teve equivalências estranhas, realizou exames ao domingo, dia em que concluiu o curso.

O original do seu curriculum académico anda sabe-se-lá por onde, há documentos fotocopiados que não são exactamente iguais entre si.

Quando se levantou controvérsia sobre a "existência" do seu curso e da forma como foi obtido por, entre outras razões, ter sido concluído num domingo, "branqueou" a situação e vitimizou-se, foi para a televisão, que servilmente "O convidou" para uma entrevista para o efeito, desmentir o evidente e acusar quem o acusava, o ministério apropriou-se do seu processo académico para evitar que fosse consultado, e nada foi feito quanto à atribuição do seu grau académico, apesar da universidade privada onde o obteve ter sido encerrada por evidentes "falcatruas" e outras "bandalheiras".

Entrementes manteve-se como primeiro ministro, manteve-se como "inginheiro", ganhou eleições, rebentou com as finanças públicas - houve "indícios" de estar envolvido em negócios "estranhos" mas, o único resultado visível de tudo isso foi um processo judicial com buracos recortados nas folhas!
Atirou o país para uma enorme crise financeira e orçamental em face da qual teve que ser "empurrado para fora" do governo antes que o país "desaparecesse do mapa", e, espantosamente, não lhe aconteceu nada!! Nada! Nadinha mesmo!

Foi calmamente estudar "philosophia" para Paris, sabe-se lá em que escola (a Science Porra!), com um "empréstimo" do "seu" banco, tornou-se delegado de propaganda médica e aparece agora como comentador político na televisão do Estado.

Continua "inginheiro", agora também "philosopho", é consultor (ou seja, faz negociatas legitimadas pelos vampiros da Octapharma) de "produtos para a saúde" e vem agora para a televisão pública "desancar" os seus opositores (no P$ e fora dele) visando abrir caminho para as suas (sempre negadas, o que, no seu caso, significa que são mais que verdadeiras) ambições politicas!!!

Então, como é???